Viaje com seu Mascote – 10 passos para uma viagem internacional

Teani Freitas - Embaixadora Mascote.net na Itália

Sair do Brasil com um cachorro é uma tarefa simples, mas cheia de detalhes e que demanda um certo tempo. Eu fiz tudo na raça, sozinha, sem ajuda de despachantes e empresas de transporte… Por isso te digo: você também pode!

Aqui vou compartilhar com vocês o passo-a-passo para entrar com seu cachorro na União Europeia*, que foi a minha experiência com a Dagny. Espero que ajude!

PASSO 1: IMPLANTAR UM MICROCHIP

O microchip é um dispositivo minúsculo, do tamanho de um grão de arroz (mais ou menos 12x2mm), que é colocado na cervical do cachorro e vira tipo um CPF internacional do bichinho. É muito importante que esse microchip esteja dentro das normas internacionais ISO11784 e ISO11785. É isso que vai permitir que ele seja codificado pelos leitores de todo o mundo, na Europa, nos EUA, no Brasil, onde for. Existem opções de diversas marcas. Fique tranquilo que na sua cidade os veterinários já sabem de tudo isso e você vai encontrar quem possa aplicar. A microchipagem de cães é uma tendência mundial e em breve será exigida no Brasil até mesmo para viagens nacionais, como já é em outros países da Europa e nos EUA.

O microchip da Dag é da Virbac e chama Back Home Bioglass Mini Transponder. Não tive problema algum de identificação com ele, nem na Europa, nem no Brasil. Fiz a aplicação na Animália, no Rio de Janeiro. Demorou menos de um minuto e a pequena não reclamou nada. Paguei R$ 200.

ATENÇÃO: o microchip deve ser aplicado ANTES da antirrábica.

ATENÇÃO 2: o microchip é cadastrado no nome de um tutor. Aconselho que esse tutor seja a pessoa que vai viajar com o animal. Caso contrário, essa pessoa deverá fazer uma procuração para que outra possa viajar com o bichinho, e isso pode dar uma certa dor de cabeça. Me avisaram sobre esse detalhe na Animália e foi muito bom para decidir se colocaríamos no meu nome ou do meu marido.

Certificado de microchipagem da Virbac, tamanho médio do microchip e a Dag logo após colocar o microchip (ela tinha apenas 3 meses, as orelhinhas nem tinham ficado em pé!)

PASSO 2: VACINAÇÃO ANTIRRÁBICA

Mesmo que seu cão já tenha sido vacinado antes, será necessário aplicar a vacina depois de colocar o microchip. Então se não será a primeira vacina do seu cachorro e ela já está para vencer, é hora de já providenciar isso. Esse processo ajuda a evitar fraudes, uma vez que o animal já estará legalmente registrado com o microchip.

Existe um boato de que vacinas de campanhas estaduais e municipais de vacinação contra raiva não são aceitas. Na verdade, segundo o próprio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o problema é que a pessoa deve ter o certificado de vacinação, com nome comercial da vacina, número do lote, assinatura do médico veterinário e data de aplicação. Nessas campanhas, eles normalmente não geram esse tipo de documentação, por isso a vacina não é aceita.

Eu fiz a vacina na Dagny com a veterinária Bruna Lacayo, também do Rio, que foi lá em casa e tratou a Dag com o maior amor. Ela aplicou uma vacina da Zoetis chamada Defensor. Eu não lembro exatamente o valor pois no mesmo dia fizemos outras três vacinas.

PASSO 3: ESPERAR

Para entrar na União Europeia é exigida a sorologia da antirrábica. Esse é um exame que comprova que o organismo do animal produziu os anticorpos contra a raiva e está imune à doença. O problema é que, geralmente, esses anticorpos só se tornam realmente detectáveis após 30 dias de aplicação da vacina. Por isso, depois de aplicar a antirrábica você tem mesmo que esperar esse tempo passar.

PASSO 4: SOROLOGIA ANTIRRÁBICA

Para fazer a sorologia antirrábica você deve procurar uma clínica que possa enviar a amostra do sangue do seu cachorro para um dos laboratórios credenciados internacionalmente para fazer esse exame. No Brasil temos apenas um, o Laboratório de Zoonoses e Doenças Transmitidas por Vetores do Centro de Controle de Zoonoses de São Paulo. Clicando aqui, você consegue ver detalhes sobre esse exame. Mas não se preocupe. Esse também é um procedimento cada dia mais corriqueiro na vida dos veterinários de qualquer cidade.

Eu fiz a coleta também na Animália, no Rio, pois a clínica já tem o costume de mandar amostras para fazer a sorologia neste laboratório de SP, então eu tinha a certeza de que a amostra da Dag chegaria direitinho (se não chegar ou se o exame for inconclusivo você tem que mandar novamente). Não me lembro exatamente quanto paguei, algo em torno de R$ 500,00 (contando o custo da coleta do sangue, do envio e do exame em si). Não, não é barato, mas vale lembrar que a sorologia é válida até o fim da vida do animal, desde que a vacina antirrábica seja mantida em dia. O atraso de um só dia, invalida a sorologia. Ou seja, se você é uma pessoa organizada e séria com datas, só vai precisar fazer esse processo uma vez.

Depois de feita a coleta você tem que esperar o resultado, que demora, em média, 30 dias para ficar pronto. No caso da Dagny, a coleta do sangue foi feita no dia 28 de julho de 2016 e me ligaram para falar o resultado dia 13 de setembro.

Resultado do exame de anticorpos. Ele vem em português, inglês e espanhol, no papel timbrado da Prefeitura de São Paulo e tem uma marca d’água. Eles aconselham fazer uma cópia, pois esse documento vale por toda a vida do animal.

PASSO 5: QUARENTENA. ESPERAR, MAIS UMA VEZ

Para entrar na União Europeia, além do resultado da sorologia, eles pedem o período de quarentena. Isso significa que se o seu cãozinho “passar” no teste da sorologia, você deve esperar completar o período de quarentena, que tem o total de 90 dias. Mas, ATENÇÃO, esses 90 dias começam a contar do dia da coleta do sangue. Ou seja, se o resultado sair só depois de 30 dias, você só tem que esperar mais 60 para o fim da quarentena (30 + 60 = 90).

O valor mínimo necessário do exame de sorologia é maior ou igual a 0,50 UI/mL. Dagny marcou 0,68 UI/mL, passou raspando! Se o seu cachorrinho não alcançar esse valor mínimo, volte para o início do texto e repita todo o processo depois da colocação do microchip.

Quando comecei a fazer a documentação da Dagny, na verdade, não sabia que iríamos nos mudar com ela. Eu comecei porque é um processo tranquilo para fazer com um filhote, e imaginava que um dia poderíamos querer viajar com ela. Além disso, existe uma história que a microchipagem vai ser mesmo obrigatória até para viagens internas (na verdade já é para obtenção do Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos do Brasil). Por isso, esses 90 dias de quarentena não foram um sacrifício. Se você tem um filhote em casa, aconselho que faça o mesmo.

IMPORTANTE: essa quarentena não tem nada de especial. É só um tempo para ver se o cachorro não deu um “falso positivo” e na verdade tem uma manifestação da doença. Mas você e ele continuam com uma vida normal, em casa e passeando felizes.

IMPORTANTE 2: não adianta chorar, espernear, falar com o presidente da república e clamar pela ajuda do Itamaraty – mesmo com a sorologia ok, o cachorro não embarca para a UE antes dos 90 dias de quarentena. Programe-se. Como disse anteriormente, a sorologia vale por toda a vida do bichinho se a vacina antirrábica estiver sempre em dia. Então essa quarentena você também só vai precisar fazer uma vez.

PASSO 5 E MEIO: ESCOLHENDO A PASSAGEM, COMPANHIA AÉREA E CAIXA DE TRANSPORTE

Esse não é propriamente um passo 6, porque enquanto vocês estão na quarentena não precisa ficar de braços cruzados! Nada te impede de já pesquisar passagens, cias aéreas, promoções, caixas de transporte, etc. Afinal, agora é só uma questão de tempo. Você já está com tudo quase pronto e os próximos passos só podem ser dados com as passagens em mãos.

É nessa hora que você deverá ver se seu cachorro pode ir na cabine ou se deve ir no compartimento de bagagens, qual deve ser o tamanho da caixa de transporte, qual o trajeto mais curto (afinal, seja na cabine ou no porão, a viagem é muito estressante para eles) e quanto $$$ você terá que desembolsar nessa brincadeira toda.

Vamos à minha experiência: eu vim para Itália de TAP. Essa companhia aceita transportar na cabine pequenos animais domésticos (cães e gatos – PETC); animais de assistência emocional (cães – ESAN); e animais de assistência (cães-guias de cegos e surdos e cães de assistência a pessoas com mobilidade reduzida – SVAN). O peso máximo da caixa de transporte com o animal dentro é de 8kg – problema algum para a minha chihuahua de 1.9kg. As dimensões da caixa de transporte na TAP devem ser 45cm de comprimento x 30cm de largura x 23cm de altura. A caixa deve ser impermeável. Eu escolhi uma Aeropet, da Petcar. Peguei um modelo dentro dos padrões e coube a Dag direitinho. Escolhi a preta por motivos de: suja menos! Comprei poucos dias antes do embarque na Animalle, em Belo Horizonte/MG. Paguei R$ 256,90 (ai!). Dentro da caixa vem uma almofadinha impermeável, mas eu também forrei, por segurança, com tapete higiênico e coloquei uma roupinha de cama e cobertor que ela já era acostumada. Também deixamos ela dormir uns dias na caixa, para acostumar.

Escolha da caixa de transporte da Dagny. Ao centro, a primeira vez que a Dag entrou na caixa: super adaptada!

PASSO 6: COMPRANDO A PASSAGEM

Esse é um passo a parte, porque além de escolher o melhor custo benefício de trecho, companhia aérea, hora, dia, etc, você deve informar à companhia aérea que pretende embarcar com um cachorro. Isso porque você precisa saber se aquele voo que você escolheu ainda cabe um cachorro – sim, tem limite tanto na cabine como no porão. Se tiver, você precisa reservar esse e pagar por ele.

Na TAP o tempo de antecedência mínimo para efetuar reserva de transporte de animal é de 24 horas antes do voo. Mas eu não recomendo deixar para última hora, justamente por causa desse limite de animais por voo. Nossas passagens foram emitidas no dia 19 de dezembro e eu fiz a reserva no dia 21. Devo registar que demorei DUAS HORAS E MEIA para ser atendida pela companhia aérea (valeu, TAP!). Mas consegui resolver tudo depois que me atenderam, inclusive o pagamento. Nós desembolsamos R$ 528,74 (aiiiii!) para a nossa pequena chihuahua viajar na cabine conosco. O valor é cobrado em euros (150€, no caso da Dag), mas são aplicadas todas as taxas de câmbio e, por isso, fica esse valor maravilhoso em reais. No site da TAP e de outras companhias aéreas você encontra o peso para todas as opções de transporte (cabine, porão, porão com mais de 45kg) e os respectivos valores em euros. É bom dar uma olhada para já se preparar e não ter uma crise de choro ao telefone.

PASSO 7: VIGIAGRO

Com a data da viagem marcada, você deve ligar para o Vigiagro da sua cidade e marcar o dia da emissão do Certificado Zoosanitário Internacional (CZI). Sim, este documento só é feito com hora marcada. Além disso, o CZI tem prazo de validade, que pode variar entre 2 e 10 dias, dependendo do destino. Esses dias são contados do momento da emissão do CZI até a chegada no país de destino, por isso você precisa marcar com a data da passagem em mãos. Eu embarquei dia 05 de janeiro e fiz o CZI dia 03. As unidades Vigiagro ficam localizadas nos aeroportos, portos, postos de fronteira e aduanas especiais ou nas Superintendências Federais de Agriculturas nos Estados. Eu procurei um link para um site muito legal que mostrasse o contato das unidades Vigiagro nos aeroportos brasileiros, mas é claro que não encontrei. Então tirei um print maravilhoso para vocês e deixo no fim do post.

Voltando… Eu morava no Rio de Janeiro, mas após TRÊS DIAS de tentativas constantes e sem sucesso, eu vi que seria impossível marcar no Vigiagro do Galeão (fica a dica pros funcionários: atendam o telefone, migos!). Então eu resolvi tentar no Vigiagro de Belo Horizonte (Confins), pois é minha cidade natal e eu estaria lá para as festas de fim de ano. A Luciana, SUPER FOFA, me atendeu com carinho e explicou a documentação que eu precisava levar (já sabia tudo, mas não custa repassar, né?!).

IMPORTANTE: como o CZI tem prazo de validade e não é aconselhável fazer no dia do embarque, você tem que marcar para 3 ou no máximo 4 dias antes do embarque, porque o vencimento não pode ser no dia exato da sua viagem, pois o voo pode ser de um dia para o outro, podem acontecer cancelamentos, etc.

PASSO 8: CZI

Você está a poucos dias do embarque e finalmente consegue saber que SIM, seu companheiro de aventuras poderá embarcar com você! Não tem sensação melhor. A Luciana (FOFA) me mandou um e-mail com o check-list do que eu precisava para emissão do CZI, vou deixar aqui para vocês, pois sei que não existem muitas Lucianas espalhadas pelo mundo:

1 – Original e cópia do comprovante de microchipagem do animal;

2 – Original e cópia da carteira de vacinação do animal datada, carimbada e assinada pelo veterinário, com comprovação da vacina contra a raiva (a vacinação deve obrigatoriamente ser realizada após a implantação do microchip);

3 – Original e cópia do exame sorológico antirrábico coletado no mínimo 30 dias após a vacinação contra a raiva (que deve ter resultado igual ou superior a 0,5 UI);

4 – Original e cópia do atestado de saúde veterinário. ATENÇÃO: Existe um modelo oficial para esse atestado. E colocamos o link aqui!

Esse atestado tem validade de 3 dias corridos (72 horas) até a emissão do CZI. Fique atento! O documento deve estar datado, assinado e carimbado com o nome do veterinário particular e número de registro no Conselho Regional de Medicina Veterinária.

Além disso, a pessoa que vai embarcar com o cachorro deve levar original e cópia de um documento de identidade, CPF, ou passaporte, endereço e telefone no Brasil e no país de destino (pode ser um hotel) e número do voo. Se o cachorro for viajar como carga é preciso levar assinado original e cópia do AWB/Conhecimento/Manifesto (AWB = Air Waybill, ou Aviso de Embarque Aéreo. Um documento baseado em protocolos internacionais que traz ciência sobre a carga transportada).

Em BH, o CZI ficou pronto na hora. O processo todo, da chegada até a saída do estacionamento, durou 30 minutos, com direito a um cafezinho depois de pegar o CZI. Em outros lugares pode demorar até 2 dias. Quando você for marcar, pergunte quando receberá. Guarde bem o documento até o dia do embarque (eu fiz uma cópia autenticada por segurança).

IMPORTANTE: você precisa levar seu mascote no dia de fazer o CZI. Lá na hora eles fazem a leitura do microchip e verificam se está tudo certo.

OBS: gente, se vocês virem em algum lugar escrito Certificado Veterinário Internacional (CVI), não se preocupem, é a mesma coisa do CZI, tá?! Na Vigiagro eles usam CZI.

O CZI vem em um papel timbrado e possui carimbo em todas as páginas. O nosso está em Português/Inglês/Italiano. Isso muda conforme o destino. O Vigiagro nos entrega o original e uma cópia. Ficamos com o original, a cópia fica com a companhia aérea do embarque internacional.

PASSO 9: FINALMENTE EMBARCANDO

Chegou o grande dia e vocês sobreviveram. No dia do embarque você não pode fazer o check-in online, tem que ser presencial. Chegue cedo. Leve toda a documentação. Por segurança faça cópia de tudo. O animal deve ir para o aeroporto já na caixa de transporte. No check-in eles vão pedir a sua documentação toda e a do animal também. Vão pesar a caixa. Vão ler e reler o CZI 90 vezes. Você vai ficar com o coração na boca. Mas vai dar tudo certo!

O atendente selecionou para nós uma cadeira dupla – o que ajudou muito, pois não precisamos incomodar ninguém – e fora das saídas de emergência (é proibido carregar animais ali). Durante o voo o animal não pode sair da caixa de transporte. Você é responsável pela água, alimentação e também pelas necessidades dele. Mas isso é assunto para outros posts…
Nosso embarque: 6 malas e um cachorro! Dagny dormindo na caixa de transporte no aeroporto, com seus brinquedos preferidos e cobertor. Levamos os potinhos de comida, mas não deixamos dentro da caixa, na hora do voo tiramos.

PASSO 10: VOCÊ CHEGOU AO SEU DESTINO!

Como disse, nós viemos para a Itália de TAP. Isso significa que nosso voo desceu primeiro em Portugal e de Lisboa pegamos um voo para Roma. Como de praxe, você faz o processo de imigração no primeiro país que põe os pés. No nosso caso, preciso ressaltar que foi realmente tranquilizante saber que iriamos fazer a imigração em nossa língua mãe. Afinal, a última coisa que você quer é um pepino poliglota.

Entramos na fila de imigração para pessoas de fora da UE normalmente, com a Dagny na caixa de transporte conosco. Quando chegamos no guichê o policial olhou nossa documentação, olhou para nossa cara e carimbou o passaporte. “Bem-vindos! Próximo por favor”. Eu fiquei meio sem saber o que fazer, afinal estávamos entrando na UE com um cachorro, ele nem iria olhar a documentação? Avisei: “Moço, a gente tá com uma cachorrinha (mostra a caixa). A documentação dela tá aqui ó, traduzida em três idiomas (mentalmente falando: e deu um trabalho do cão pra fazer!)”. O moço olhou de volta, sorriu e disse: “pode passar”. É isso gente. Chegando em terras europeias ninguém nem olhou para a cara da Dagny. Embarcarmos o voo Lisboa-Roma também normalmente, sem olharem qualquer documentação.

Ao desembarcar aqui em Roma, como estávamos em um voo proveniente de dentro da UE não passamos por qualquer inspeção. Fomos pegar nossas malas e saímos do aeroporto normalmente. Ah, no nosso voo, na imigração e no aeroporto não encontramos mais ninguém com animais.

Dagny já domina os pontos turísticos de Roma!!! Alguns dos nossos melhores momentos por aqui!

Essa foi a nossa experiência. Quero registrar que fizemos tudo isso levando uma vida normal, ou seja, trabalhando em horário comercial, cinco dias na semana, com todos os compromissos de uma vida. A parte boa de demandar todo esse tempo é justamente você conseguir se organizar. Mas quem achar complexo, saiba que existem várias empresas especializadas em transporte de animais que cuidam de tudo para você.

Espero ter ajudado a tirar dúvidas de quem quer se aventurar em outro país com seu melhor amigo. Se vocês quiserem saber mais sobre o Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos; melhores companhias aéreas para transportar animais; empresas especializadas em transporte internacional de animais domésticos; cuidados durante o voo; adaptação em outro continente; alimentação na viagem; Passaporte Europeu para Cães; viagens com cães dentro da Europa e outros assuntos, comenta ou escreve pra gente!

Um beijo!

*União Europeia exceto: Finlândia, Irlanda, Malta e Reino Unido, que exigem também o tratamento antiparasitário contra Echinococcus multilocularis, que eu não precisei fazer. Para o Reino Unido não é possível transportar os animais na cabine.

Você pode precisar:

Viagem com Animais de Estimação: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Exigências dos principais destinos: link aqui
Laboratórios credenciados para a sorologia antirrábica: lista completa
Modelo de Atestado de Saúde para Viagens de Cães e Gatos: fornecido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Nota de Esclarecimento sobre o Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Vigiagro
Perguntas e Respostas frequentes sobre Viagens Internacionais com Cães e Gatos: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Telefone das Unidades Vigiagro em Aeroportos:

9 comentários em “Viaje com seu Mascote – 10 passos para uma viagem internacional”

  1. Ola, adorei suas dicas! Eu vou viajar com meus 3 pets agora em novembro p Espanha, mas tenho uma duvida.. Demorou muito(mais do que 90 dias) p sair o resultado da sorologia? Eles enviam pelo correio p clinica? Pq o resultado de um gatinho meu ta no prazo d 90 dias da sorologia no dia 14 de novembro e vou viajar dia 17, sera que havera tempo? 🙁 Sou do Rio e nao sei tambem se esse CZI fica pronto no mesmo dia, eles dao pouca informacao pelo tel

    1. Oi Lita! Tudo bem?! Obrigada por nos acompanhar! A Teani, que fez todo esse processo, teve o resultado da sorologia em cerca de 40 dias.
      O que precisa de 90 dias é a quarentena (que começa a contar a partir da coleta de sangue da sorologia).
      Sobre o envio, eu vou perguntar para ela onde chegou certinho!
      Como ela foi no CZI de BH, foi diferente. Então é bom você ligar para marcar e perguntar qual o prazo, pois cada cidade é de um jeito, ok?!
      E chegando na Espanha, pode escrever pra gente sobre os melhores barzinhos para ir com os pets! <3
      Um abraço, Carol

      1. Lita, a sorologia chegou na clínica mesmo! 🙂
        O conselho que damos é você ficar no pé da clínica, para saber se a sorologia chegou lá! No caso da Teani, a clínica ligou para ela depois de 40 dias… ela não sabe se chegou antes ou com 40 dias mesmo.. mas se já deu os 30 dias, liga lá para saber se já chegou!

        Normalmente, o CZI fica pronto no mesmo dia sim. O da Teani foi na mesma hora (porém em BH), mas você tem que ligar e marcar, não pode só chegar e pedir, ok?! Marque para 2 dias antes da viagem (lembrando que ele vale por 10 dias, apenas!)

        Conta pra gente se deu tudo certo, tá?! Beijinhos

    2. Pelos videos que eu vi, o Laudo do CZI demora ate 40 dias pra sair após o envio do soro pra lá, isso em SP.
      Esses 90 dias que ela disse funciona assim…Voce faz a coleta do sangue e envia o soro, para a UE voce deve esperar a quarentena a partir dessa data (90 dias) para entrar no país.
      Exemplo: coleta dia 01/09/2017…..voce poderá entrar na UE após dia 01/12/2017.

        1. Oi Gi! É isso mesmo! Aqui em BH o CZI fica pronto na hora, mas o mais importante é que, em QUALQUER LUGAR é necessário agendar para fazer isso. Não adianta chegar lá e querer resolver.
          E é muito importante ressaltar também que o CZI só tem validade de 10 dias e deve ser feito APÓS a quarentena! 🙂

  2. ola bom dia !!!
    essa matéria me ajudou muito, muito bom mesmo, ainda assim tenho uma duvida.
    Há 1 mês atras ou seja (11/10/2017) vacinei meu pet com a vacina antirrábica, não sabíamos que iriamos levar ele conosco então fiz a microchipagem no dia de hoje dia 29/11/2017 sera necessário uma nova vacina de antirrábica? alguém sabe me ajudem, o veterinário dize que não ha necessidade mas tenho minhas duvidas ja que todos dizem microchipagem depois vacina antirrabica.

    1. Oi Ione! Desculpa na demora da resposta…
      Primeiramente, para onde vocês estão indo? Cada local tem uma regrinha diferente! Acho que vocês deverão fazer uma sorologia após a microchipagem, e respeitar o período de quarentena. Uma nova vacina não deve ser necessária não! Boa sorte e mais uma vez desculpe a demora na ajuda! Um abraço da equipe Mascote!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *