Passaporte Europeu para Cães

Teani Freitas - Embaixadora Mascote.net na Itália

Passaporte Europeu é uma mão na roda para aquelas pessoas que, como eu, querem riscar o mapa todinho junto com seu animal de estimação. Com ele você pode entrar em todos os países da União Europeia sem precisar de quarentena, exames, etc. Normalmente, exigem apenas um atestado de saúde atualizado (em caso de voos, principalmente) e, para alguns destinos específicos, como Reino Unido, Malta, Finlândia, Irlanda, por exemplo, a administração de algum antiparasitário dias antes do embarque.

Passaporte da Dagny

Nesse passaporte ficam registrados todos os dados do tutor e do animal: nome, endereço, telefone, número do microchip, código fiscal do tutor, etc. Ali também ficam registradas todas as vacinas e demais remédios que forem administrados no pet. Além disso, tem um espaço para colocar a data da última visita ao veterinário e a condição de saúde do seu mascote. Para viajar pela Europa o preenchimento dessa parte é aceito como atestado de saúde.

Aqui em Roma, o órgão responsável por emitir o Passaporte Europeu é o Serviço Veterinário da Azienda Sanitaria Locale (ASL) del Lazio. Basicamente, é como se fosse uma vigilância sanitária aí no Brasil.

Por aqui, não é preciso agendar horário, mas você precisa levar:

  • modelo de solicitação do Passaporte Europeu preenchido;
  • O documento de identificação e o código fiscal (equivalente ao nosso CPF) do proprietário, que deve ter mais de 18 anos;
  • Certificado da vacinação antirrábica (se for primo vacinado, a vacina deve ter sido aplicada 21 dias antes) com o número do microchip ou da tatuagem para identificação;
  • Atestado de boa saúde assinado por um veterinário cadastrado na ASL, com data não anterior há 7 dias da data de pedido do Passaporte. (É possível fazer esse atestado lá mesmo, no mesmo dia, mas você deve pagar a taxa para isso antes);
  • Certificado de inscrição na Anagrafe Canina**;
  • Atestado de instalação do microchip (o meu foi feito no Brasil);
  • Fotografia do cachorro (facultativa);
  • Sorologia antirrábica;
  • Cão com coleira e focinheira/mordaça (a Dagny foi sem focinheira mesmo);
  • Comprovante de pagamento da taxa para emissão do passaporte (varia de acordo com a situação do cachorro, se tem ou não microchip, se precisa fazer o atestado de boa saúde no local, etc. Clique aqui para ver todas as situações e os respectivos valores. Você precisa pagar antes de ir na ASL.

Para fazer o Passaporte Europeu da Dagny, antes de pagar qualquer taxa, eu fui pessoalmente na ASL da minha região com os documentos para verificar se eles eram válidos ou se eu deveria traduzir para o italiano (apenas o CZI estava em italiano, a sorologia estava em inglês, francês e português; e o comprovante do microchip em português e inglês). Como o veterinário sabia falar inglês, ele me disse que a tradução não seria necessária, PORÉM, isso não é uma regra. Pode ser que outro veterinário peça.

Para o caso da Dagny eu paguei €34,00 pelo passaporte. Esse é o valor mais caro para cães, aplicado para quem decide fazer o atestado de boa saúde com o veterinário que está de plantão na ASL, e quando o pet já possui o microchip e a inscrição na Anagrafe.

Voltei dois dias depois (a ASL perto da minha casa só abre às terças e quintas) com o comprovante de pagamento e fiz o passaporte. Fica pronto na hora. Ele deve ser renovado de acordo com o vencimento da vacina antirrábica e, para essa renovação, o proprietário desembolsa €8,00. Em caso de emissão de segunda via, também é cobrada a taxa de €8,00. Para registrar outros tipos de vacinação, tratamento antiparasitário e outros anticorpos é preciso pagar mais €8,00. Para ir com a Dag para o Brasil, por exemplo, terei que pagar essa taxa, pois as autoridades brasileiras exigem a administração de um tratamento eficaz de amplo espectro contra parasitas internos e externos 15 dias antes da viagem.

Vale lembrar que, pelo menos por aqui, a responsabilidade de verificar as vacinações e demais exigências do país de destino são do tutor. O veterinário pode até te ajudar, principalmente para os países mais procurados por aqui, mas, de modo geral, você tem que chegar sabendo isso. A melhor forma de fazer essa verificação é realmente pesquisando na internet. Uso sempre como guia o site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, que tem uma lista com as exigências dos principais destinos de viagens com animais de estimação.

Agora nossa Dag está apta a viajar por toda a Europa! Vamos mantendo vocês atualizados sobre nossas aventuras por aqui.

Dagny em sua primeira viagem pela Itália. Curtindo o pôr-do-sol em Florença.

*Como o passaporte é para o animal de pessoas que residem na Europa, apenas quem está legalizado e possui esse código fiscal pode fazer a requisição.

** A Anagrafe Canina é um documento que funciona como carteira de identidade e traz informações como nome do animal, nome do responsável, endereço, telefone, número do microchip, etc. Por aqui, para cães a inscrição na Anagrafe é obrigatória. Para gatos e furões, é opcional, sendo necessária, neste caso, apenas para fins comerciais. Quem não faz a inscrição depois de 60 dias de vida do cachorro ou dentro de 30 dias após a posse, está sujeito a uma multa de €51,65 (uns R$175,00 no câmbio atual). #tenso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *