Destino Pet: Manaus e Amazônia |AM

Eduardo Cavalcanti - Dedicato Turismo

Já começo o Destino Pet deste mês dizendo que, por mais que conte e explique, a experiência de conhecer uma das maiores florestas do mundo é incrível e difícil mensurar em palavras. Mas vou tentar descrever um pouco sobre este destino, e espero de verdade que possam conferir pessoalmente tanta beleza e grandeza. E garanto, voltarão diferentes!

fotógrafo Gideão Soares

Manaus é a porta de entrada da Floresta Amazônica e uma cidade cheia atrativos, museus, ótima culinária e bem estruturada para o turismo. Claro que tem seus problemas, mas no geral é uma cidade encantadora. Você pode escolher se hospedar na cidade, na floresta ou fazer um roteiro com um pouco de tudo, isso vai depender do tempo de viagem e seus interesses.

Lá, as estações do ano se dividem em duas; a seca e a chuvosa: de junho a novembro chove pouco, e de dezembro a maio chove muito. De qualquer forma, o calor e a umidade são constantes durante todo o ano.

Os principais atrativos de Manaus e região são:

Teatro Amazonas
Que lugar lindo, tanto por dentro como por fora impressiona. A forma mais usada para conhecer o teatro é a visita monitorada, onde você pode conhecer desde o palco, passando pelas salas com exposições, bastidores e figurinos de óperas clássicas. Porém, caso tenha oportunidade, vale a pena se programar e assistir a uma peça ou apresentação.


Bosque da Ciência
Manaus é uma cidade dentro de uma floresta e esse bosque seria um pouco dessa floresta dentro da cidade. O passeio é interessante e conta com várias espécies da flora e fauna amazônica, inclusive um aquário com peixes-boi.

Reserva Ducke
É uma boa opção para quem não quer ou não tem tempo de desbravar a selva. Lá você terá contato com essa natureza abundante por meio de diferentes trilhas. Tem uma ávore enorme que é simbolo do parque e conta ainda com um museu com exposições, instrumentos indígenas e alguns aquários.

Mercado Municipal Adolpho Lisboa
Particularmente, adorei este Mercado. Não que seja meu preferido, porém é uma ótima oportunidade para conhecer mais do artesanato e culinária locais, além de poder provar, em um só lugar, diferentes sabores e sensações. São diversos peixes de água doce e frutas que nem sei repetir os nomes. É lá que você encontra o Centro de Atendimento ao Turista (CAT), que presta informações sobre a cidade e região.

Praias Fluviais
Ponta Negra – É também um bairro cheio de prédios altos e modernos, com ótimos bares e restaurantes. Diferente de outras praias fluviais da região, esta funciona o ano todo, independente da época da cheia.
Praia do Tupé – Por conta do acesso ser somente de barco, essa praia fica mais movimentada nos finais de semana. Ela fica à margens do Rio Negro e o visual é bem bonito.
Praia da Lua – Também banhada pelo Rio Negro, essa praia é uma boa pedida para quem vai conhecer o Museu do Seringal, pois além de ser caminho, uma paradinha para se refrescar do calor e aproveitar a estrutura para um almoço ou petiscos é sempre bem-vinda.

Museu do Seringal
Este museu é incrível! Conta toda a história dos seringais e como era a vida nessa época. Uma parte importante de nossa história que, infelizmente, as escolas de outras regiões do país não dão tanta ênfase ou valor merecido.

MUSA – Museu da Amazônia
Este museu a céu aberto está dentro de uma reserva florestal onde justamente está localizado o Jardim Botânico de Manaus. Então é verde que não acaba mais! Por meio de trilhas os guias explicam e mostram tudo o que pode ser visto. Lá tem um borboletário bem legal e que eu adorei! A atração principal do MUSA é uma torre de 42 metros com 3 níveis que fazem você ter diferentes visões: O primeiro nível é dos trancos ou meio das árvores, ideal para ver alguns animais como macacos e bichos preguiça. Depois tem o nível que seria o das copas das árvores que te dá a possibilidade de estar mais perto dos pássaros. E o terceiro e último nível, que seria o mais alto, acima das copas das árvores, nos dá uma visão panorâmica, tanto de Manaus como da floresta.

Nem saimos de Manaus direito e já vimos tanto verde… pois é, essa é a ideia. E tem mais! Além de outros lugares interessantes dentro da cidade como o Palácio Rio Negro, Palacete Provincial, Arena da Amazônia, Sambódromo, a Ponte Rio Negro (maior ponte fluvial do Brasil, com 3,6Km) e as várias outras construções históricas… Você não pode deixar de ver o espetáculo do Encontro das Águas, quando as águas do barroso Rio Solimões se encontram com as águas escuras do Rio Negro, e não se misturam por uma extensão de 6 km. Lindíssimo!

Outra experiência inesquecível é o nado com os Botos Cor de Rosa. Estes simpáticos animais são super mansos e a sensação de nadar com eles e poder brincar, tocá-los e alimentá-los em seu habitat natural é incrível.

 

              Entrei na disputa por esse peixe!

Alguns passeios são mais fáceis de serem feitos quando hospedamos na floresta ou num barco/navio. Porém, com uma boa programação, podemos fazer todos independente do lugar onde se está hospedado. Seguem alguns deles:

Focagem dos jacarés
Um passeio noturno em busca dos jacarés da Amazônia. Momento para poder apreciar a escuridão da floresta e de seu rio, alguns outros animais como morcegos e corujas e, claro, os incríveis barulhos/ruídos da noite amazônica.

Nascer ou o pôr do sol no Rio Negro ou Rio Solimões
Programa super legal e para mim até especial; ver o sol dando boas vindas ou se despedindo de tanta beleza com cores incríveis no céu. Momentos ideias também para ver várias espécies de passáros.


Pesca da Piranha
Além de ser super fácil pescá-las, você ainda pode ter a sorte de pegar uma enorme e ver grandes e afiados dentes. Bem legal!

Visita a tribos indígenas
Não são todas que podem ser visitadas, porém é uma experiência emocionante ver como eles preservam sua cultura, costumes e idiomas, independente da influência do “homem branco” e principalmente como eles aproveitam dessa influencia para se protegerem e buscarem conhecimento, direitos e deveres como povo brasileiro.


Independente do passeio escolhido, navegar pelos rios da região amazônica já é um encanto a parte. Um mar de água doce!

Curiosidades:

Podem levar repelente, porém em Manaus e no Rio Negro não tem muitos pernilongos. Pelo fato da água ser ácida, a presença de mosquitos é mínima. Em outras áreas, como Rio Solimões por exemplo, podem ter mais desses bichinhos incômodos.

Existem passeios para almoçar em restaurantes flutuantes e aproveitar para conhecer lagoas com vitórias-régias.

Não deixem de fazer uma trilha na selva. É muito diferente dessas “caminhadas ecológicas” que estamos acostumados. Aconselha-se usar tênis ou botas, blusas e calças compridas e chapéus ou bonés.

Beba muita água sempre e use muito filtro solar, mesmo quando estiver chovendo.

Aos domingos acontece uma feirinha no centro de Manaus, com muito artesanato e comidas típicas.

Por falar em comida, alguns nomes para ir se acostumando: Tacacá (feito com tucupi, goma de farinha de mandioca, folhas de jambu e camarão). Costela de Tambaqui (peixe). Moqueca de Pirarucu (peixe). Frutas típicas: cupuaçu, taperebá ou cajá, tucumã, buriti … e claro não podemos esquecer da tapioca e do açaí, mas esses já estão no nosso vocabulário. Porém, eu gostei mais do sabor de lá!

Entre os meses de outubro e dezembro chove menos, o rio ainda está na vazante (seco), então é melhor para pescar, ver botos, ver as praias de rio e fazer caminhadas em terra firme. Já no auge da cheia (junho), com os rios bem altos, é melhor para fazer passeios de canoa na floresta inundada e ver animais que vivem na copa das árvores, como aves e macacos, além de chover menos.

Pode parecer estranho mas lá em Manaus tem Zoológico, do CIGS: claro que vê-los na floresta é mais emocionante, porém confeso que algumas espécies não são tão fáceis de se ver. No zoológico você encontra onças, jaguatiricas, jacarés enormes, várias espécies de macacos e diversas aves como tucanos, papagaios, araras e outras.

Para quem gosta de pescar, é só ficar de olho na temporada certa e aproveitar a experiência. Estas variam um pouco dependendo do rio, da cheia, etc… então melhor se informar antes.

Vale a pena reservar um assento na janela no avião, o pouso e a decolagem em Manaus tem um visual bem bacana da floresta e seus rios. Mas caso queira ver mais, existe passeio para sobrevoar a cidade em um hidroavião.

Do alto ou de baixo, do céu ou da terra, ver essa imensidão da natureza, sentir um dos pulmões do mundo e saber que nele ainda tem tanto verde, água e cultura é realmente uma experiência incrível, daquelas que uma vez que vamos, voltamos diferentes. Voltamos literalmente com mais oxigênio e com uma veia de preservação e proteção enormes!

Serviço:
Dedicato Turismo

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *