Florença | Itália

Teani Freitas – Embaixadora Mascote.net na Itália

Antes de começar a contar sobre essa experiência, preciso dizer que a Europa está alguns passos à frente do Brasil no quesito pet friendly. Por onde passei, vejo que animais de companhia, são não apenas permitidos, mas tratados com a maior naturalidade. Já cansei de encontrar com cachorros em lojas, restaurantes, lanchonetes, estação de trem, metrô, ônibus e até supermercados. Aqui é assim, nossos mascotes fazem parte da rotina e nos acompanham em todos os lugares. Nas viagens isso não seria diferente.

As viagens de trem com cachorro por aqui não têm mistério: é só chegar e embarcar. Não é necessário sequer avisar que pretende viajar com um cachorro ou pagar a mais, como acontece no caso das viagens de avião. Porém, é muito importante que toda documentação esteja em dia. Como já contei em outro post, Dagny possui o Passaporte Europeu para Cães, o que significa que ela está super regularizada.

Um dos nossos primeiros destinos com Dagny foi Florença, na região da Toscana, bem pertinho de Roma (1h45min de trem rápido). Antes de embarcar perguntei à companhia de transporte escolhida, a Italo, se tinham alguma recomendação de transporte para cães. Eles apenas disseram que o animal deveria estar em alguma bolsa/caixa de transporte, que deve ir no chão ou no colo do passageiro. Como vocês podem ver, Dagny fica bem tranquila e confortável em sua caixa de transporte.

Pelas ruas é comum encontrarmos potinhos de água para deleite dos nossos mascotes:

TURISTANDO COM CACHORRO

A Europa é pet friendly mas, de um modo geral, animais de estimação não são permitidos nos pontos turísticos como museus, igrejas e ruínas. Isso significa que se você quiser conhecer lugares assim você terá de deixar o seu mascote por algumas horas sozinho no hotel. Foi o que fizemos com a Dag. Mas vale lembrar que ela é muito calma, quase não late e tem o costume de ficar sozinha. Se esse não é o caso do seu cachorro, repense essa estratégia. Se estiver viajando em duas pessoas, vocês podem, por exemplo, revezar na entrada nos monumentos. Um entra e o outro passeia com o dog, depois invertem.

Nossa estratégia foi: escolher um período do dia para passear sem a Dag, conhecer o que a gente quisesse e ela não pudesse entrar, depois pegá-la no hotel e passear em outros locais.

Aqui vai um resumo dos locais mais procurados por turistas e a dica se aceitam ou não cachorros.

SEM DOGS 🙁

  • Complexo Duomo – isso inclui a Cattedrale de Santa Maria del Fiore (Catedral de Florença); a Cúpula de Brunelleschi (cúpula da Catedral); o Campanile di Giotto; o Batisterio San Giovanni; e o Museo dell’opera del Duomo.
  • Galleria degli Uffizi
  • Palazzo Pitti
  • Giardino di Boboli (conhecido como o mais magnífico jardim da Europa, localizado dentro do Palazzo Pitti, mas não, cachorros infelizmente não podem entrar)
  • Galleria dell’Academia (é onde está localizada a escultura de Davi, de Michelangelo)
  • Basilica di San Lorenzo
  • Palazzo Vecchio
  • Cappelle Medicee
  • Museo Nazionale del Bargello
  • Museo di San Marco
  • Basílica di Santa Maria Novella (você também não pode entrar, mas pode conhecer a praça que fica em frente e admirá-la)
  • Chiesa San Miniato al Monte (não pode entrar na igreja, mas você pode desfrutar da vista da cidade do lado de fora)
  • Basilica di Santa Croce
  • Museo di Storia dela Scienza

PET FRIENDLY 🙂

  • Piazza Della Signoria – é onde fica a entrada do Palazzo Vecchio, ou seja, você pode admirá-lo de fora com seu mascote.
  • Ponte Vecchio – é a ponte mais antiga da cidade, como sugere o nome, cheia de comércios de joias. Dagny foi parada por três vezes para fazer fotos ali, cum sucesso.
  • Piazzale Michelangelo – deste local você consegue ver o pôr-do-sol mais bonito de Florença ao lado do pet!
  • Piazza del Duomo – você não pode entrar nos monumentos, mas nada te impede de fazer um passeio com seu cachorro por ali. Dagny adorou.
  • Piazza di Santa Croce – apesar de não poder entrar na Basílica di Santa Croce, eu recomendo um passeio nessa praça que fica no coração do centro histórico de Florença. Ali você encontra diversos restaurantes e todos dispostos a receber seu mascote.
  • Mercato CentraleAlguns dos melhores momentos de Dag nos pontos turísticos de Florença. Da esq.: Dagny curtindo o pôr-do-sol na Piazzale Michelangelo; conhecendo o Mercato Centrale de Florença; passeando na Piazza del Duomo; curtindo a vista da Ponte Cecchio; conhecendo a Galleria degli Uffizi só por fora; barrados no Palazzo Pitti; e admirando uma vista panorâmica da cidade bem na porta da Chiesa San Miniato al Monte.

RESTAURANTES

Se nos monumentos os pets têm restrições, de um modo geral, os restaurantes em Florença aceitam cachorros sem problemas. Visitamos alguns bem turísticos com a Dag. Seguem os nomes:

  • Mamma Gina – restaurante de comida típica fiorentina. Não saia de lá sem pedir pelo menos uma massa! Ah, eles não só aceitam cachorro, como ainda levaram a Dag para um tour nas dependências. O chef veio na mesa falar conosco, trouxe comida para a Dag (leia-se frango e pão) e ainda mostrou foto dos seus cachorros! Indicamos muito!Fachada do Mamma Gina, restaurante mais pet friendly de Florença

 

  • Fuori Porta – boa dica de jantar depois de ver o pôr-do-sol na Piazzale Michelangelo
  • Vivoli – conhecida por ter um dos melhores sorvetes de Florença
  • SkyBar Hotel Continentale – no terraço do hotel eles servem drinks e aperitivos. A vista da cidade é linda e seu pet bem-vindo.

 Esses foram alguns dos restaurantes que fomos com a Dagny.

DICAS ÚTEIS

1. Como estamos na Europa, e o mapa da Mascote.net ainda não chegou por aqui (estamos ajudando a construí-lo!), procuramos nosso hotel em buscadores como Booking e TripAdvisor. A busca é simples, basta ativar o filtro na hora da pesquisa. Nós escolhemos o Hotel Giglio e Dagny foi muito bem tratada. Por segurança, antes de fechar a reserva, liguei para confirmar se aceitavam pets mesmo. Nessa conversa também fui informada de que se o cachorro ficasse sozinho no quarto e começasse a latir, incomodando os outros hóspedes, poderiam solicitar nosso check-out. Também disseram que não forneciam suporte para o animal, como alimentação, cama ou vasilhame para alimentação. Nada fora do esperado.

2. Procure um hotel que seja perto dos principais pontos que você pretende visitar, assim entre um monumento e outro você pode dar um pulinho lá para ver se está tudo bem com seu cachorro. O nosso hotel era um pouco distante e isso dificultou esse retorno.

3. Peça um quarto mais afastado da recepção e onde não tenha muita circulação de hóspedes. Isso porque os cachorros tendem a latir quando passa algum desconhecido na porta ou sentem qualquer movimentação diferente do habitual. Estando mais afastados, vocês vão evitar esses momentos.

4. Peça que o quarto seja arrumado no momento que vocês saírem com o cachorro. Se não puderem adequar o horário, peçam que não arrumem o quarto. Melhor evitar o contato com estranhos enquanto você estiver longe não é mesmo?

5. Antes de sair para um longo passeio sem seu cachorro, faça pequenos testes no hotel. Entrem juntos, se ambientem no quarto, depois saia por 10 minutinhos sem ele. Volte e faça festa, para mostrar que está tudo bem. Repita, mas com um passeio mais longo, uma ou duas horas. Depois o leve para passear um pouco.

6. Leve uma boa quantidade de comida e tapetinho higiênico, principalmente se for no fim de semana, quando as lojas menos turísticas podem estar fechadas. Quando eu fui não vi um pet shop aberto.

7. Leve os brinquedos preferidos do seu mascote, o mesmo vale para cobertas.

8. Passeie bastante com seu cachorro no momento que puder. Assim ele ficara feliz (além de cansado) e mais tranquilo no hotel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *